Análise financeira fácil e simples

iStock_000043009788_Large

Uma empresa é considerada viável quando traz retorno financeiro ao empreendedor.

Você sabe como analisar a viabilidade financeira do seu negócio?

Entre as principais causas do fracasso de negócios está a falta de capital de giro e problemas financeiros, segundo estudo realizado pelo Sebrae e pela Fubra, indicando descontrole do fluxo de caixa, alto endividamento e planejamento de caixa ineficiente. Portanto, o empreendedor deve saber planejar e administrar o fluxo de caixa de seu negócio, evitando, assim, as principais causas de fracasso de novos negócios.

O plano financeiro é a parte mais importante de um plano de negócios, depois do modelo de negócio e os estudos de mercado.

Ele consiste em projeções financeiras de estimativas de vendas, custos de produção, distribuição, logística e despesas comerciais e administrativas em um resumo financeiro. A análise da viabilidade financeira de um negócio se baseia nestas projeções.

O nível de detalhamento do plano financeiro depende da complexidade do negócio, segmento e o grau de precisão necessário para o planejamento.

O plano financeiro precisa ter, minimamente, as seguintes informações:

  1. Investimento inicial
  2. Resultados
  3. Fluxo de caixa
  4. Ponto de equilíbrio
  5. Tempo de retorno

1. Investimentos iniciais

Quanto será necessário investir para estruturar a empresa e iniciar suas atividades? Esta é a primeira pergunta que se deve fazer em um planejamento financeiro.

Existe um volume mínimo de investimentos necessários para que a empresa pelo menos mantenha sua capacidade produtiva, uma vez que as instalações e equipamentos estão sofrendo desgastes permanentes, o que é chamado de depreciação.

Se o investimento feito é menor do que a depreciação, a empresa está perdendo capacidade produtiva e pode estar caminhando para um sucateamento de sua planta. Ou seja, pode acabar com uma planta produtiva muito defasada, sem competitividade, com custos elevados, o que leva a empresa à incapacidade de vender seus produtos. A parcela do investimento que ultrapassa a depreciação é chamada de investimento líquido.

2. Resultados

A apuração dos resultados mensura todas as receitas e despesas para avaliar qual o valor disponível e o lucro do empreendimento após determinado período.

Envolve projetar as receitas de vendas e estimar todos os custos da empresa: de produção, vendas, administração, além de despesas de toda ordem, tais como comissão de vendas, imposto de renda, taxas e contribuições.

3. Fluxo de caixa

Representa o montante de caixa que entra e sai do negócio num determinado período. O fluxo de caixa é uma das partes mais importantes no gerenciamento financeiro de uma organização.

O fluxo de caixa é importante para planejar, avaliar e administrar um negócio.

4. Ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio acontece quando as receitas são iguais aos custos.

Corresponde ao faturamento para que a empresa possa cobrir, exatamente, seus custos, ou seja, atingir lucro operacional igual a zero. Acima do ponto de equilíbrio, a empresa terá lucro e, abaixo dele, incorrerá em prejuízo.

5. Tempo de retorno

Também chamado de payback, este é o indicador responsável por mostrar em quanto tempo será recuperado o dinheiro gasto no investimento inicial.

Quanto mais tempo a empresa precisar esperar para recuperar seu investimento, maior sua possibilidade de perda. Quanto menor for o período de payback, menor será a exposição da empresa aos riscos.

A complementação do plano financeiro é o plano de crescimento do novo negócio, item muito importante, por ele, o empreendedor deverá demonstrar como vai aproveitar plenamente o potencial de lucro e o crescimento do negócio. Ele deve explicitar claramente a estratégia de crescimento do novo negócio baseado na conquista de novos clientes, expansão para novos mercados, lançamento de novos produtos ou de novos serviços e como esse crescimento será financiado.

Elabore seu Plano de Negócios sendo apoiado por dicas e orientações com o meuplanodenegocios.com.br.